GINECOLOGIA

HPV é um vírus, chamado Papiloma Vírus Humano. Existem mais de 100 subtipos diferentes, a maioria benignos, e outros podem induzir ao aparecimento do câncer de colo de útero, vulva, vagina e ânus. O que não quer dizer que todas as mulheres que apresentam o HPV em um exame, ou que apresentam lesões, irão desenvolver o câncer. O modo de transmissão é, preferencialmente, através de relações sexuais, mas existem outras formas. É desconhecido o período de incubação do vírus, isto é, o período compreendido entre o contato e o aparecimento de sintomas, podendo ser de 3 meses até alguns anos. O HPV pode se manifestar através do aparecimento de condilomas ou verrugas localizadas na região genital, tanto no homem como na mulher, assim como um achado em um exame preventivo do câncer ginecológico. O diagnóstico é realizado pelo aspecto das lesões, colposcopia, biópsia quando necessário, e em alguns casos um exame para o DNA do vírus. O tratamento visa eliminar as lesões, através de cauterização elétrica ou química. Muitas vezes faz-se necessário a remoção cirúrgica. A prevenção básica é através do uso de preservativos em todas as relações sexuais. Atualmente dispomos de duas vacinas. Uma vacina quadrivalente (protege contra 4 subtipos, que são os responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero e 90% das verrugas genitais). São 3 doses a ser aplicadas da seguinte maneira: no primeiro dia, 60 dias e 6 meses. E outra bivalente (protege somente contra 2 subtipos de vírus responsáveis apenas pelo câncer de colo de útero), também com 3 doses. A vacina quadrivalente, sem custos, está disponível nos Postos de Saúde para meninas entre 9  e 13 anos de idade, uma vez que o sistema imunológico está mais ativo nesta idade, e ainda não ocorreram relações sexuais. A vacina é indicada para todas as mulheres, em qualquer idade, e está disponível em consultórios de ginecologia e em centros de vacinação, com o custo médio de 300 reais/dose. Existem alguns aspectos importantes que devem ser frisados: - a infecção causada pelo HPV tem cura; - nem todas as mulheres que apresentam uma infecção pelo HPV irão desenvolver um câncer; - não acusar o parceiro de ter transmitido a infecção; - não abandonar o tratamento achando que o vírus possa desaparecer sozinho.

Responsável
DRA. ANGELA MARIA MOSER
GINECOLOGIA
CRM 7291

Newsletter - Clinica Volpato

Receba nossas Novidades